#1 Especial Saia das Dívidas: Entenda o que é uma dívida

No prédio em que moro, alguns moradores têm três carros, mas apenas duas garagens. Para não deixar o terceiro carro ao léu, alugam a garagem daqueles moradores que tem apenas um carro.

Assim como há famílias que têm mais carros do que garagens, também há famílias que têm mais gastos do que renda. A solução para estes dois déficits é exatamente a mesma, quem não tem aluga de quem tem.

Alugar algo é usar o bem de outra pessoa, pagando pelo uso e devolvendo o bem alugado no prazo combinado. Então, quando financiamos uma compra ou fazemos um empréstimo, estamos na verdade alugando uma quantia de dinheiro da financeira, do banco ou da loja, pagando juros pelo uso desse dinheiro e devolvendo esse valor alugado até o final do contrato.

Vejamos o caso do João. Ele se encantou por um carro de R$40mil, mas ele só tinha R$20mil. Para satisfazer esse desejo de compra, ele financiou o valor que faltava numa financeira. O empréstimo ficou assim:

Valor do carro: R$40.000,00
Entrada: R$20.000,00
Valor financiado: R$20.000,00
Prazo do financiamento: 60 meses
Taxa de juros: 1,60%
Parcelas: 60 de R$521,00

O custo total deste carro será de R$51.260,00 (R$20mil + R$31.260 em 60 parcelas). João está alugando dinheiro da financeira para comprar seu carro e isso vai custar R$11.260,00, 28% de acréscimo no valor da compra, mesmo que diluído em cinco anos, é um belo aumento no preço do carro.

Neste empréstimo, a parcela mensal de R$521 é composta por um pedaço do dinheiro emprestado (o valor principal) e pelos juros, que é o aluguel do uso do dinheiro da financeira. Portanto, o valor emprestado será devolvido aos poucos nos 60 meses do financiamento.

O João tinha alternativa? Sim, adiar a compra, juntar mais dinheiro e comprar à vista. Mas, como ele não segurou a vontade, a dívida foi o caminho mais fácil e rápido para satisfazer seu desejo. O problema é que a dívida também é a solução mais cara.

Se o João aplicasse os R$20mil da entrada e todo mês fosse acrescentando os R$521 da parcela, em cerca de 30 meses ele teria os R$40 mil do carro. Alguém pode dizer: 30 meses é muito tempo! Pode ser, mas as vantagens de saber esperar são enormes, a começar por 30 parcelas de R$521 que ele não teria que pagar se tivesse adiado a compra para pagar à vista. Apressados não apenas comem cru, como também pagam mais caro.

O grande risco para os apressados é esta diabólica conjunção de grande oferta de produtos com grande oferta de crédito. Com tamanha facilidade para financiar e tanta coisa legal para comprar, se não controlarmos nossos desejos de consumo, saimos financiando tudo sem critérios, sem cuidado, sem pensar no que estamos fazendo. E as contas da família vão apressadamente para o buraco.

Muitas pessoas simplesmente não percebem o risco das dívidas. Todo mundo acha um exagero que alguém gaste 40% do salário alugando garagens, mas poucos acham um exagero gastar os mesmos 40% do salário parcelando compras. E é!

O primeiro cuidado ao fazer um financiamento é analisar cuidadosamente as consequências desta decisão para as finanças da família. É disso vou tratar no próximo artigo.