De olho na lista de material escolar

Início de ano é sempre recheado de gastos com escola, principalmente para quem tem mais de um filho. A lista de material escolar cresce a cada ano, assim como os preços dos livros. Para evitar que o orçamento familiar seja comprometido, é preciso se programar com antecedência e pesquisar muito. Alguns dados mostram que itens simples, como uma caneta, por exemplo, podem ter até 450% de diferença no preço de um estabelecimento para outro. Além de pesquisar para a compra do material escolar, outra dica importante: os itens das listas de material passadas pelas escolas devem ser apenas de uso individual. Aqueles itens coletivos, como de higiene e administrativo (cartucho de tinta para impressora, copos descartáveis, sabonete e álcool) não podem ser exigidos desde a sanção da nova Lei 12.886/2013 - já que os mesmos devem estar incluídos no cálculo do valor das mensalidades. A escola também não pode determinar marca ou exigir que a compra do material seja feita na própria escola. Essa é uma escolha dos pais, que devem acionar o Procon caso sintam-se lesados. Veja mais dicas dos especialistas para a compra do material escolar: -       Pesquise preços em pelo menos três lugares. As papelarias maiores normalmente conseguem melhores preços por conta do volume de compra; -       Recicle sempre que possível. Tente reaproveitar alguns itens do ano passado ou do irmão mais velho. A escola não pode exigir que seja tudo novo; -       Divida as compras em dois semestres, caso necessário. Se a lista for grande e for comprometer o orçamento, converse com a escola e veja o que será usado somente no período seguinte; -       Compre apenas material de uso individual. As escolas devem estar adequadas a nova lei e caso desconfie que algum item seja de uso coletivo ou administrativo, converse com a coordenação ou acione o Procon.