Declaração IRPF 2015: informações importantes pra você

 

Atenção ao calendário: quem precisa entregar a Declaração de Imposto de Renda 2015 tem até o dia 30 de abril para fazê-lo.

 

O preenchimento da Declaração exige sempre alguns cuidados, listados a seguir por Davison Batista Pereira, consultor de Previdência do Vida Investe – programa de educação financeira e previdenciária da Funcesp. “Diria que o principal cuidado é garantir que as informações declaradas estejam de acordo com a documentação que pode vir a ser solicitada pela Receita Federal”, alerta. Confira as recomendações:

 

- procure fazer o seu planejamento ao longo do ano: monte sua pasta de Imposto de Renda e vá reunindo nela tudo o que precisa: recibos médicos, demonstrativos, extratos, notas ficais etc.

 

- se possui dependentes, lembre-se de declarar as despesas e, também, os rendimentos desses dependentes, caso possuam.

 

- na dúvida entre fazer a declaração conjunta com o cônjuge ou separada, experimente primeiro fazer algumas simulações, optando então pelo resultado mais vantajoso.

 

- caso prefira contratar profissional para ajudá-lo na Declaração, tenha cuidado: verifique se tudo o que foi informado pode mesmo ser comprovado. Na ânsia de garantir restituição, alguns exageros podem ser cometidos, gerando dor de cabeça ao contribuinte depois.

 

- dedique tempo à tarefa: a pressa pode gerar erros que podem levá-lo à malha fina. O cruzamento de dados da Receita está sendo aprimorado a cada ano, então qualquer inconsistência de informações pode gerar problemas. “O erro pode até ser simples, mas esclarecê-lo exige tempo e documentos de comprovação”, comenta Davison.

 

- acompanhe o andamento de sua declaração – é possível consultar restituição e situação da Declaração IRPF no site da Receita Federal (www.receita.fazenda.gov). “Vale lembrar que cadastrar-se no portal eCAC permite um monitoramento mais completo e acesso a outros serviços, por meio de código de acesso e senha”, lembra o consultor. Para saber mais, visite:

https://cav.receita.fazenda.gov.br/eCAC/publico/login.aspx

 

O que mudou na Declaração de Imposto de Renda?

 

Segundo Davison, houve mudança na forma de declarar o Décimo Terceiro Salário. Para o contribuinte, basta seguir as instruções listadas no informe de rendimentos recebido da fonte pagadora.

 

“Se o contribuinte comparar com a Declaração anterior, vai notar que agora há dois campos diferentes no documento: um para o décimo terceiro e outro para a contribuição do décimo terceiro”, alerta.

 

Como declarar o Plano de Previdência?

 

Para informar contribuições feitas ao seu Plano de Previdência da Funcesp:

 

- na ficha de Pagamentos Efetuados, deverá indicar o código da entidade em que as contribuições foram recolhidas (Funcesp:  código 36-Previdência Complementar)

- identificar se as contribuições foram realizadas em nome do titular ou para o dependente.

- informar o nome da entidade, o CNPJ e o valor pago.

 

“Essas informações estão listadas, detalhadamente, no informe de rendimentos entregue pela Funcesp, portanto não há dificuldade”, esclarece Davison.

 

Se você faz a Declaração de Ajuste Anual do Imposto de Renda no Modelo Completo, as contribuições efetuadas à Funcesp serão dedutíveis do Imposto de Renda, limitado a 12% da renda bruta anual tributável.

 

Para informar resgates, vale a mesma recomendação: basta seguir as informações que o participante receberá como informe de rendimentos.

 

Confira as principais deduções permitidas por lei:



 

Quem precisa declarar?

 

Precisa entregar a declaração o contribuinte que:

 

1 - recebeu rendimentos tributáveis acima de R$ 26.816,55;

 

2 - recebeu rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte acima de R$ 40.000,00;

 

3 - obteve ganho de capital ao vender bens ou direitos ou investiu em Bolsa;

 

4 - em caso de atividade rural:

a. obteve receita bruta acima de R$ 134.082,75;

b. vá compensar, no ano-base de 2014 ou depois, prejuízos de anos anteriores ou do ano-base de 2014;

 

5 - teve, em 31 de dezembro de 2014, a posse ou a propriedade de bens ou direitos de valor total superior a R$ 300 mil;

 

6 - passou a morar no Brasil em qualquer mês e nesta condição se encontrava em 31 de dezembro de 2014;

 

7 - optou pela isenção do IR do ganho de capital na venda de imóveis residenciais, por ter aplicado o dinheiro na compra de outro imóvel residencial, em até 180 dias a partir venda do imóvel original.

 

Para mais informações, acesse: 

Receita Federal – IRPF 2015

http://www.receita.fazenda.gov.br/PessoaFisica/IRPF/2015/default.htm