Qual o melhor modo de investir?

Quem tem reservado uma fatia da renda para os investimentos sempre acha que pode seguir uma dica infalível e obter grandes retornos. A verdade é que com a queda da taxa de juros, os rendimentos são menores e para ter maior rentabilidade é preciso arriscar mais. Será que você está preparado? Mas que tipo de investimento fazer? Algumas pessoas preferem trocar seu dinheiro em dólar esperando uma valorização da moeda, já outras investem na compra do ouro. Mas será que a poupança não é o mais seguro modo de investimento? Veja alguns conceitos sobre cada uma das três opções:

 
Dólar – A moeda está sofrendo grande variação nos últimos meses. Por isso, economistas recomendam que só troque seu dinheiro em dólar quem vai ter algum tipo de gasto internacional. Ainda não há uma tendência clara de como a moeda vai se estabilizar e por isso o risco acaba sendo grande.

 

Ouro - Teoricamente, o metal é um investimento que não sofre desvalorização. Porém, também é um ativo imprevisível. Seu preço sobe de acordo com o momento que o mundo está vivendo, mas sua desvalorização pode acontecer quando pensamos que é um material muito sujeito à oferta e demanda.

 

Poupança - É o investimento mais conhecido e mais tradicional. Não há limite mínimo nem máximo para sua aplicação, não há taxa de administração, é isento de IR, não tem limite de resgate... são muitos benefícios. Porém, dependente das taxas de juros, seu retorno não é tão imediato e fica muito atrelado ao valor do investimento. Outra desvantagem apontada por alguns especialistas é a facilidade de resgaste, que acaba comprometendo o investimento para o futuro.

 

Para quem quer investir, a pesquisa sobre o tipo de ativo que atende às necessidades e ao valor do primeiro investimento é sempre importante. Invista pensando no seu futuro e com regularidade para manter o hábito de poupar e fazer a sua reserva crescer.